quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Qual o valor de uma faixa de frequências?





Como radioamadores, todos nós deveríamos saber em quais faixas de frequência temos permissão para operar. Em cada classe, há limites preestabelecidos sobre qual modo e potência podem ser utilizados em nossos contatos. Todos pagamos uma taxa à ANATEL correspondente ao direito de utilizar estas faixas de frequência (chamado PPDUR – preço público pelo direito de utilização de radiofrequencia), e como este valor é muito baixo (20 reais) e só é pago UMA VEZ por ocasião do licenciamento, podemos pensar que estas faixas de frequência não valem nada. Porém, este é um erro crasso. Vejamos alguns exemplos.



Esta semana, foi noticiado que o governo da Itália declarou ter recebido propostas da ordem de € 2,48 bilhões, ou cerca de 10 bilhoes de Reais, no leilão de faixas de frequência para implantação de redes celulares 5G. Os lances mais altos partiram da TIM (Telecom Italia), dona da TIM Brasil, € 951 milhões ou mais de 4 bilhoes de Reais. Outras empresas ofertaram pouco menos, mas ainda valores astronômicos: A Iliad ofertou € 749 milhões e a Vodafone apresentou lance de € 716 milhões. Isto tudo para ter o direito de operar em uma pequena faixa de frequência.



No Brasil, juntando todas as faixas ocupadas pelas redes 2G, 3G e 4G, há cerca de 997 MHz de espectro licenciados para operadoras prestarem serviços móveis. Destes, apenas 630 MHz estão sendo efetivamente usados pelas operadoras. E em termos monetários, só o leilão da faixa de 700 Mhz para exploração das redes 4G realizado em 2014 arrecadou R$ 8,5 bilhões. Elas pagaram este valor para utilizar uma faixa de pouco mais de 100MHz.



Vamos agora dar uma espiada nas faixas destinadas a nós, Radioamadores a serem efetivadas oficialmente a partir de 12/2018. Abaixo estão apenas as faixas ACIMA de 1000MHz ou 1GHz.



X - 1240 - 1300 MHz; 60MHz

XIII - 2300 - 2450 MHz; 150MHz

XV - 3300 - 3500 MHz; 200MHz

XVIII - 5650 - 5925 MHz; 275MHz

XXII - 10 - 10,50 GHz; 500MHz

XXIV - 24 - 24,25 GHz; 250MHz

XVI - 47 - 47,2 GHz; 200MHz

XXV - 76 - 81GHz; 5GHz

XXVII - 122,25 - 123 GHz; 750MHz

XXVIII - 134 - 141 GHz; 8GHz

XXIX - 241 - 250 GHz. 9GHz



Juntando tudo, temos direito a um espectro total de mais de 24GHz. Façamos alguns cálculos.



No Brasil, hoje somos quase 60 mil radioamadores. Cada um de nós, alguma vez na vida, quando licenciamos nossas estações, pagamos 20 reais por estação para utilizar estes 24GHz. Isto daria, caso todos pagassem de uma vez, cerca de R$1.200.000,00.



Ora, é ou não é uma pexincha pra nós????



Falando sério, estes números deveriam servir de alerta para nós. Temos que estar vigilantes, e aí temos de destacar o brilhante trabalho que a Labre, através do GDE – Grupo de Defesa Espectral tem desempenhado na defesa do espectro destinado a todos os radioamadores. Ao invés de ir para “faixinhas”, deveríamos ocupar nossas faixas, pois certamente há muitas empresas que gostariam nos expulsar para ocupá-las e ganhar dinheiro com elas. Fiquemos de olho!



Fontes:



0 comentários:

Postar um comentário