terça-feira, 18 de junho de 2019

Alerta! França propõe expulsar o radioamadormo de metade da banda de 2m a nível mundial



Temos discutido em várias edições do QTC da ECRA a necessidade de valorizarmos as faixas destinadas aos radioamadores frente ao "olho gordo" que diversos outros serviços e especialmente empresas têm no precioso e limitado espaço chamado "espectro eletromagnético". 

Vimos em Agosto de 2017 um sinal amarelo sendo acionado quando uma decisão da Anatel atribuiu a nossa faixa de 70cm, de 430 a 440MHz, para uso compartilhado de uma empresa de monitoramento da Embraer e dos radioamadores. Isso significa que os dois serviços têm de conviver lado a lado, e em caso de interferência mútua, tem de haver coordenação a fim de cessarem as interferências.

Em termos práticos, esta decisão, até o momento, trouxe pouco ou nenhum impacto para nós, já que o uso que a empresa faz da faixa de 70cm é esporádica. Por outro lado, observando-se a exposição de motivos da Anatel, é dito que a empresa, antes mesmo de receber esta autorização, já operava de forma extraordinária na faixa, e ninguém notou. Por esta razão, alega-se que assim emanam causará problemas aos radioamadores.

Observamos, agora em 2019, um movimento bem mais ousado contra os radioamadores, mas desta vez, a nível mundial e com impacto imediato sobe uma faixa bastante utilizada em todo o mundo: a faixa de 2 metros, de 144 a 148MHz. A França encaminhou uma proposta para dividir pela metade esta faixa, tirando-a das mãos dos radioamadores e entregando para o serviço móvel aeronáutico. Este serviço ficaria com 144-146, e o radioamadorismo, com 146 a 148.

A proposta é tão absurda que quando a notícia surgiu, duas semanas atrás, o QTC da ECRA julgou-a irrelevante, estapafúrdia. Infelizmente, não é o caso. A proposta realmente existe, tem consistência e, de fato, ameaça uma das faixas mais populares do radioamadorismo mundial. Veja que não é o mesmo caso do ocorrido aqui no Brasil com a faixa dos 70cm. A proposta francesa quer literalmente, nos expulsar, dando ao serviço móvel aeronáutico o uso primário da faixa!

A França apresentou esta proposta (item 1.10) junto à Comissão Européia dos Correios e Telecomunicações, a CEPT, uma entidade que congrega e representa os países europeus no tocante às telecomunicações. É algo com uma super-Anatel, mas a nível continental. Por sua vez, esta entidade irá representar a Europa na Conferência Mundial de Radiocomunicação (WRT-19) que será realizada em Outubro deste ano, no Egito, e, caso aprovada a nível europeu, será levará para discussão na WRC e, queira Deus que não, seria adotada a nível mundial.

Como justificativa, é o mesmo blá blá blá: falta de espaço para comunicações vitais e alegada FALTA DE USO da faixa de radioamadores. Por conta disso, os radioamadores europeus estão organizando um movimento a nível continental para ocupar a metade inferior da faixa de 2m para mostrar que, longe de estar desocupada, ela tem bastante uso.

Os portugueses fizeram o primeiro movimento, e foi um sucesso. Pelo facebook, o colega José Machado, CT1BAT, informou que a mobilização organizada para o dia 15/06 foi um sucesso. Nas palavras dele, "Todos, de norte a sul do país, pudemos testemunhar que os radioamadores estão unidos! E estavam ansiosos por voltar a usar a sua banda de VHF".
Um colega radioamador francês, analisando a questão, disse que uma possível justificativa para escolherem justo a faixa de 2m é estratégica: ela tem destinação mundial única: os radioamadores. Se escolhessem qualquer outra faixa, teriam que brigar praticamente com o mundo todo, pois em cada país há destinações diferentes para cada faixa. No caso, vencidos os radioamadores, pronto: a faixa é deles.

Só para se ter uma ideia, caso esta proposta seja adotada, teríamos de dar adeus a CW, SSB, satélites, APRS, repetidoras, comunicação com a ISS, além do fato de perdermos METADE da faixa. 

Dito tudo isto, afirmamos que não há, no presente momento, motivo para pânico. A proposta francesa ainda tem de ser aprovada a nível euriopeu, e só então seguiria para análise a nível mundial. Porém, o radioamadorismo deve ficar ciente que esta é uma ameaça real, embora, no momento, esteja distante. Devemos estar atentos e cuidar muito bem de nossas faixas, procurando ocupá-las de forma consistente e legal, e não ocupar faixas que não são nossas, como é o caso deplorável e criminoso da tal "faxinha".

O radioamadorismo tem uma entidade representativa a nível mundial, a IARU, e esta já manifestou preocupação quanto a este assunto e está preparada para defender os interesses dos radioamadores. 

Fiquemos de olho!

7 comentários:

  1. Me parece que a idéia é cada vez mais tirar o direito de nós radioamadores.Visar lucro, esse é motivo base.

    ResponderExcluir
  2. Aqui no Brasil não vai fazer falta pois nos mesmo estamos deixando as frenquencias livres, quando não se encontra os clandestinos.

    ResponderExcluir
  3. Totalmente desnecessário as frequencia sao de uso dos radioamadores e quem vem utilizando essa frequencias como porta de entrada para o radioamadorismo temos contestes operamos em modos digitais ssb meteorscanner ssb dx e muito mas ate a ISS utiliza esta frequencia como pode retirar uma frequência que já é do radioamadorismo a mas de 50anos .

    ResponderExcluir
  4. Radioamadorismo?....o que é isso mesmo?

    ResponderExcluir
  5. A tendencia e o radioamadorismo morrer...hj temos outros meios de comunicacao, infelizmente...n se discute praticamente nada de assuntos tecnicos...PU1ROV

    ResponderExcluir